Mais que qualificar, incluir. Em 2018, o Profissionalizar para Inserir nasceu com a principal missão de levar qualificação profissional e cidadania para pessoas com deficiência e em situação de risco e vulnerabilidade social. O projeto desenvolve uma política dirigida com base em demandas específicas, construídas de maneira coletiva com as representações de cada segmento para a realização de uma capacitação cada vez mais inclusiva.

O projeto ofertou 160 vagas em 5 cursos, contemplando mulheres em situação de violência, pessoas com deficiência e seus familiares, pessoas em situação de rua, em tratamento de câncer, dependentes químicos e jovens em cumprimento de medidas socioeducativas. Em sua primeira etapa o projeto ofertou os cursos de Artesanato em Feltro, Artesanato em Mosaico, Artesanato em Papel, Pintura em Tecido, Corte de Cabelo Masculino e Barbearia e Manicure e Pedicure.

“O Profissionalizar para Inserir foi lançado em 2018 com o objetivo de alcançar segmentos sociais que se encontram de alguma forma excluídos dentro da nossa sociedade. Os cursos que foram oferecidos proporcionaram para esses grupos conhecimentos numa dada área, para o desenvolvimento de uma atividade produtiva, gerando uma oportunidade não apenas de qualificação profissional, mas de ressignificação do seu lugar na sociedade, das suas possibilidades. A nossa preocupação foi ofertar cursos que tanto pudessem gerar esse sentimento de oportunidade e que também trouxessem um resultado e um retorno financeiro mais imediato, por isso a escolha por cursos na área de artesanato, alimentação, beleza. Cursos, que de que maneira geral, tem uma aceitação no campo da produção e um retorno financeiro muito rápido”, pontua a presidente da Fundação Wall Ferraz, Samara Pereira.

Ao todo, onze organizações sociais e governamentais parceiras receberam os cursos de qualificação profissional ofertados pela Fundação Wall Ferraz. São elas: Associação dos Cadeirantes de Teresina (ASCAMTE), Centro de Convivência Saber Viver com o projeto Amor de Tia, Centro de Convivência Saber Viver, (CAPS) III, CAPS AD, Centro de Referência Especializado da Assistência Social (CREAS), Casa do Oleiro, Casa Esperança e Vida, Casa do Caminho, Centro de Referência Esperança Garcia, Centro POP e Associação Pestalozzi.

Para Elimária Marques, Assessora Técnica da Fundação Wall Ferraz, o “Profissionalizar para Inserir” representa uma oportunidade de profissionalização para grupos que muitas vezes são desacreditados: “O que esses grupos precisam é de motivação e oportunidade para despertarem seus talentos, desenvolverem suas habilidades e progredir profissional e intelectualmente. É um processo contínuo, que tem evoluído paulatinamente e os resultados são benéficos para todos os envolvidos”, afirma.

Para o próximo ano, o Profissionalizar para Inserir terá continuidade atendendo os segmentos que já foram beneficiados e com previsão de atendimento a novas demandas de grupos específicos da capital, fortalecendo as ações de inclusão socioprodutiva e democratização das oportunidades de qualificação entre os teresinense.

Ainda não há comentários.

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com (*).